últimas notícias








Notícias

1 14/01/2020 16:30

O Irã anunciou nesta terça-feira (14) que prendeu pessoas acusadas de envolvimento na derrubada acidental de um avião ucraniano na semana passada, que matou 176 pessoas. No entanto, o governo do país não detalhou quantas pessoas foram presas, nem seus nomes e cargos.

"Investigações amplas estão sendo feitas e alguns indivíduos foram presos", disse Gholamhossein Esmaili, porta-voz do Ministério da Justiça, à imprensa estatal.

Pouco antes, o presidente iraniano, Hassan Rowhani, defendeu, em discurso exibido pela TV, que todos os responsáveis pelo acidente deverão ser punidos.

"Para nosso povo, é muito importante que qualquer pessoa que tenha tido culpa ou sido negligente seja levado à Justiça. O Judiciário deve formar uma corte especial com dezenas de especialistas. Este não é um caso comum. O mundo todo estará de olho nesta corte", disse Rowhani.

O Irã levou alguns dias para reconhecer que a Guarda Revolucionária do país tinha derrubado o avião.No sábado (11), o general Amir Ali Hajizadeh, comandante da seção aeroespacial, assumiu a culpa pelo erro em uma declaração à TV estatal. "Preferiria estar morto a testemunhar um acidente semelhante", afirmou.

O comandante disse que o avião foi confundido com um míssil de cruzeiro (armamento guiado remotamente para liberar ogivas a longas distâncias) e abatido por um míssil de curto alcance. Ele também afirmou que o soldado efetuou o disparo sem ordem por causa de uma interferência nas telecomunicações.

No acidente, o Boeing 737-800 da Ukraine International Airlines caiu cinco minutos após decolar do aeroporto Imam Khomeini, em Teerã. A aeronave, que decolou às 6h12 na hora local (23h42 de terça em Brasília) e seguia para Kiev, pegou fogo minutos após a decolagem.

Entre as 176 vítimas, havia 82 iranianos, 63 canadenses e 11 ucranianos. Boa parte dos passageiros faria uma conexão para um voo com destino ao Canadá.

A derrubada da aeronave gerou protestos no Irã, nos quais manifestantes pedem a renúncia do líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei, nos últimos dias. Os atos chegaram ao quarto dia seguido nesta terça (14).

Ao menos 30 pessoas foram presas por participar de atos considerados ilegais, segundo o governo. Os manifestantes acusam a polícia de usar munição letal para tentar dispersar os atos.

Nesta terça, Alemanha, França e Reino Unido acusaram formalmente o Irã de descumprir o acordo nuclear firmado em 2015. Caso não haja acordo, o país poderá ser alvo de novas sanções por parte da ONU.

Tribuna da Bahia

Rua Tiradentes, 30 – 4-º Andar – Edf. São Francisco – Centro - Santo Antônio de Jesus/BA. CEP: 44.571-115
Tel.: (75) 3631-2677 - A Força da Comunicação.
© 2010 - RBR Notícias - Todos os direitos reservados.